quinta-feira, 13 de novembro de 2014

CASO DE MACHISMO NO DCE DA UFSC


O caso

O caso aconteceu na penúltima noite do festival Ufsctock (sábado dia 1/11). O militante da UJS e diretor do DCE estava ficando com uma menina do movimento estudantil e a todo tempo insistia para que eles ficassem em um local mais isolado, reservado. Então a convidou para dar uma volta e buscar um vinho no DCE. Ela deixou claro que não queria ir no DCE e disse que esperaria ele fora do local. No entanto, ele insistiu alegando que fosse perigoso ela ficar do lado de fora. Dentro da entidade pegou o vinho e em vez se retirar do local trancou a porta do DCE com um cadeado, mesmo com a menina envolvida dizendo não querer ficar dentro da entidade. Começou então uma discussão com ela, insistindo que não gostaria de ficar lá dentro e que queria sair para reencontrar as amigas. Depois de muito insistir ele então destrancou a porta e deixou que ela voltasse para a festa sozinha, por volta da meia noite.


Casos assim podem parecer muito tranquilos para alguns, apenas mais um caso de envolvimento que termina com desentendimento e desacordos. Para nós não é! Além de machista, pois trancou a menina dentro da entidade estudantil. E ainda assim, depois que ela negou ficar com ele, a pôs para fora, sem ao menos a acompanhar de volta. Infelizmente, casos como este são recorrentes no DCE Luis Travassos. A entidade, que deveria servir como um espaço para a organização política e coletiva dos estudantes, vem constantemente sendo utilizada para fins individuais. Um caso destes, além do seu conteúdo machista, tem de ser repudiado pelo uso indevido do espaço, que deveria servir para organizar a luta dos estudantes e não como espaço livre para opressão.


Por várias vezes, nós mulheres somos sujeitadas a passar por situações violentas, seja por falta de coragem de dizer “não” ou mesmo porque os caras “forçam a barra”. Chegamos a nos culpabilizar por não nos impor, a ponto de cogitarmos nos silenciar em relação ao que sofremos. BASTA DE VIOLÊNCIA CONTRA NÓS MULHERES!


Nossa companheira tem aliadas! Seu caso deve servir para educar o movimento, fortalecer as mulheres e inibir atos machistas. Precisamos trazer a importância da auto-organização das mulheres e evidenciar que não estamos no mesmo patamar de igualdade nos espaços políticos (inclusive na esquerda). Casos destes enfraquecem as mulheres jovens e militantes e reforçam a ideia de que a política é um espaço para homens. Exigimos a retratação por parte da entidade e da organização do qual o envolvido faz parte (DCE e UJS). Achamos que casos como estes são reflexos da falta de debate e combate político cotidiano às opressões dentro e fora da universidade. Uma entidade que se cala frente às opressões, acaba os reproduzindo, tornando-se uma organização onde os opressores se sentem livres e impunes.


Esperamos que as mulheres fiquem mais fortes para denunciar. Exigimos dos homens que fiquem mais reflexivos. E que eles especialmente pensem, reflitam, assumam sua responsabilidade, se retratem publicamente e mudem, porque alguém que quer mudar o mundo deve sempre estar disposto a mudar a si mesmo. Só podemos obter vitórias e construirmos uma sociedade verdadeiramente livre se mulheres e homens lutarem juntos, e, sem combater os atos machistas entre nós, isto não será possível.


Mexeu com uma, mexeu com todas!

Reações:

10 comentários:

Jogos de seducao, traicoes sexuais, brigas, negociacoes de sexo, sao complicados e quase sempre beiram ao abuso psicologico. Ambos os sexos (e suas manifestacoes sociais, como genero) tem armas, artimanhas, malicias e conhecimento. Ambos os generos podem oferecer imensa pressao psicologica, que beira a intimidacao, e inclusive a perda de personalidade do lado mais prejudicado. Homens e Mulheres podem estar do lado prejudicado. Desde que nao haja abuso fisico expresso, eh extremamente perigoso invocar um escandalo como esses.
O caso acima eh um caso comum de negociacao entre namorados. Assim como seres humanos comuns, negociacoes entre namorados envolvem desentendimentos. Agora, supondo que, pelo menos na narracao DELA, o homem era o maior vilao dessa situacao. Mesmo assim,
O que caracteriza o machismo na situacao? Vou dar algumas opcoes:
1. O fato de que um lado da negociacao era homem? (nesse caso nao ha esperanca neh? suponho que os mais radicais acreditam q sim. o q fazer entao? e vc for um homem, deve colocar um nariz de palhaco e aceitar tudo o que a mulher faz e quer na relacao? a mulher eh imune a criticas, apenas por ser mulher? nao seria isso a mais nova forma de sexismo?)
2. O fato de que um lado da negociacao utilizou taticas tipicamente masculinas para obter o que quer? (ora, mulheres tb usam manobras femininas para conseguirem o que quer. Nesse caso, chamaremos de q? A indiferenca feminista para as possibilidades de intimidacao do homem, com expressoes de insensibilidade como "iuzomi", apenas mostra a cegueira e dogmatizacao ideologica desse campo intelectual)
3. O fato de que um lado da negociacao tentou explorar vulnerabilidades femininas da mulher para conseguir vantagem sobre ela? (nesse caso, toda vez que uma mulher explora vulnerabilidades masculinas para conseguir o que quer - seja dinheiro, bebida, ou apenas atencao - podemos caracterizar como abuso de que tipo? femista? princesista?)

Enfim, eh possivel caracterizar machismo antes de usar essa palavra de maneira geral e arbitraria para imunizar a mulher e torna-la certa em todas as circunstancias? Veja que, mesmo aceitando a versao dela dessa historia, continua controverso o uso do termo "machismo" para defender q ela estaria certa em qualquer narracao possivel, como se existisse uma verdade a priori que torna o homem errado e culpado por suposicao.

Latino M.
Falou tudo e mais um pouco!

Mas como você é burro, trancar uma pessoa é negociação? A questão é que da mesma forma que 95% dos casos de violência doméstica são dos homens sobre as mulheres, de que os homens ganham mais que as mulheres, ocupam mais cargos públicos que as mulheres...tudo isso configura que, na situação acima, não fosse um simples problema de "carcere privado", mas também de puro machismo...

"Exigimos dos homens que fiquem mais reflexivos. E que eles especialmente pensem, reflitam, assumam sua responsabilidade, se retratem publicamente e mudem (...)"

Pedro.
Semana passada um homem negro seqüestrou um estudante de dentro de sua casa e o executou com um tiro na cabeça após roubar seus pertences.
Eu gostaria de saber das pessoas que escreveram esse texto se elas também teriam alguma exigência para fazer aos negros para que ficassem mais reflexivos, se retratassem publicamente e mudassem esse tipo de comportamento.

Uma menina estar dizendo que NÃO QUER ficar em um local e o cara tranca ela com um cadeado? Isso não é machismo? Isso é vitimismo? Então o que é machismo? Nesse caso o cara se sentiu no direito de trancar a menina, de argumentar com ela o pq estava trancando e quando ela não quis transar com ele, ele simplesmente mandou ela embora! Sendo que quem conhece a UFSC à noite, sabe muito bem que esse horário é muito perigoso e para ser estuprada ou assaltada ali, sozinha, era muito fácil. Imagine como essa menina se sentiu. Ficou com um cara, com certeza pensando que ele não era assim, foi trancada por ele dentro de um lugar, que com certeza a vontade dele era transar, e quando ele não conseguiu isso, por ela ter resistido, ela a mandou embora! Tipo, vão não quer transar comigo, então foda-se, volte sozinha! Se um homem defende essa atitude MACHISTA sim, deste cara, ele só pode ser outro machista da mesma espécie!

Não vejo trancar uma pessoa em uma sala como negociação sob nenhum ponto de vista possível.
se não ficou muito claro, vamos colocar de forma fácil:
é ok você querer alguém que não está tão afim de dar pra vc
é ok você dar uma insistida. Não é ok você trancar essa pessoa em nenhum lugar. Não tem nada de natural e de "jogo de sedução" nisso.
eu simplesmente não entendo como isso pode não ser claro.

É um caso de abuso e machismo sim!!

Está bem claro na história que eles não eram namorados e mesmo que fossem ainda sim seria abusivo. Também está claro que ela disse não e ele não só insistiu quanto forçou a permanência dela em um ambiente no qual ela não se sentia confortável.

Quanto ao que nosso amigo comentou aí em cima...sobre explorar a vulnerabilidade masculina...ao invés de falar besteira você devia ler mais sobre o feminismo e entender que se trata da luta de igualdade entre as pessoas e portanto qualquer coisa que vá contra isso é extremamente condenável por quem se diz feminista. Uma mulher que explora alguém fazendo uso das vulnerabilidades é uma mulher machista ou vai dizer que não sabia disso?
Só pra dar um exemplo: As entradas mais baratas para mulheres em festas surgiram em uma sociedade onde se pregava que a mulher era o espetáculo, elas estavam lá para servirem os homens e enfeitar o ambiente, tanto é que era extremamente mal vista uma mulher que recusasse uma dança. Some-se a isso o fato de que mulher também não podia trabalhar e portanto não pagava a entrada.
A questão não é se é mulher ou homem o problema é fazer uso de conceitos para obter vantagens de qualquer natureza e exercer poder sobre o outro. Machismo existe em qualquer lugar e em mulheres e homens. Então ao invés de reclamar junte-se na luta contra o machismo porque sim não são só as mulheres que são prejudicadas com isso.

Ah para né.

1 - Ele não usou de violência pra levar ela pro local. Ela seguiu ele até o local porque quis. Em qualquer momento ela poderia ter parado na porta, virado e ido embora.

2 - Eles estavam ficando, o que significa que ela queria dar uns pegas nele, aí do nada ela não quer ficar sozinha com ele? Suponho que ele não tenha entendido já que eles estavam ficando.

3 - Ele usou apenas de palavras pra tentar convencer ela a ficar ali, e sim, ELE ESTAVA ERRADO em trancar eles lá contra a vontade dela. Consentimento é tudo.

4 - No entanto, dizer que isso é machismo é uma vitimização sem sentido. Eu já vi mulheres fazendo a mesma coisa que esse cara fez e em nenhum momento acusaram elas de sexismo. O que esse povo tem é o que chamamos de double standard. Os homens não podem errar nunca porque é machismo, mas se a mulher erra tá tudo certo. Não tem igualdade de tratamento nessa bagaça.

5 - Parem de se vitimizar. Hoje em dia tudo é considerado machismo, racismo, homofobia, pelamordedeus parem de achar que tudo é preconceito. Em vez de ficar se vitimizando, mostrem que são fortes.

Postar um comentário

Gostou dessa matéria? Deixe seu comentario.