terça-feira, 24 de março de 2015

Coluna nº19 - Corrupção, política, educação e greves. Veja alguns temas da semana.




Governo Raivoso
A greve do magistério nem começou e a máscara de conciliador do governo Colombo já caiu. Na verdade, com relação aos professores da rede estadual, isso nunca existiu. As ameaças aos professores sempre foram constantes, e no último período houve inclusive demissões de professores que se organizaram para lutar pelas suas escolas. Agora o governo vai além. Primeiro, apresenta um plano de carreira que é um grande ataque a categoria. Depois, promove um festival de enrolação e chama de “negociação”. Quando finalmente a categoria anuncia que vai a luta com a greve, o governo e a imprensa iniciam um ataque raivoso jogando a população contra os trabalhadores, tentando colocar a culpa da greve no sindicato de professores, que teria rompido as negociações. Todo apoio aos professores em greve, que lutam por uma educação de qualidade para todos. 

Se fazendo de morto
O ex-deputado João Pizzolatti e seu partido o PP estão bem quietinhos para ver se escapam de mais um escândalo de corrupção em que estão envolvidos. Citado em denúncias da Operação Lava Jato, ele também foi denunciado essa semana na imprensa por continuar embolsando o salário de secretário estadual de Roraima junto com e de auditor fiscal da fazenda em SC. O salário é a bagatela de 23 mil reais. Mesmo envolvido nos escândalos da Petrobrás, o ex-deputado parece não tem ter pudor com o dinheiro público que continua embolsando. 

Corrupção oficializada
Agora, até o próprio o TCE-SC (Tribunal de Contas de SC), reconheceu que as Secretarias Regionais do governo estadual devem ser enxugadas para economizar milhões dos cofres públicos. A economia chegaria a quase 40 milhões, aponta o TCE, se as secretarias fossem reduzidas para 9 ao invés das atuais 36 existentes. Mas, por subordinação política  ao governo, o Tribunal de Contas não aponta o óbvio: as secretarias deveriam ser extintas, já que não passam de gigantescos “cabos eleitorais” do governo financiados por verbas publicas.

A ponte PT - PSD
Na quinta feira passada, o ministro das cidades do governo federal, Gilberto Kassab, esteve em Florianópolis.  Veio para prestigiar seus correligionários, afinal é só aqui que seu partido pode contar com o governador do estado e ainda o prefeito da capital. Em nome do governo federal fez promessas (entre as quais nova ponte entre ilha e continente), e declarou apoios. Afinal, ele está altamente prestigiado no governo Dilma, que não só lhe concedeu esse importante ministério, como ainda o incluiu na sua coordenação politica. E há ainda quem tem a coragem de se dizer que o governo federal é um governo de esquerda.

Mineiros e Carteiros
A tradição de combatividade dos trabalhadores de Criciúma tem ressurgido nos últimos tempos. Nessa semana houve mais uma bela manifestação da solidariedade entre os trabalhadores em luta, quando na quarta feira (18) os mineiros e os trabalhadores dos Correios protagonizaram uma passeata conjunta no centro da cidade. Os mineiros continuaram em greve até sexta-feira, quando finalmente conseguiram arrancar algumas conquistas da patronal, que até então tinha se mantido intransigente.

UDESC
Não são só os trabalhadores que estão recorrendo às lutas para defenderem seus direitos. Os estudantes da UDESC ocuparam o restaurante universitário no campus de Florianópolis para impedir que o preço deste seja absurdos R$ 5,93. Com esse valor, a universidade estadual teria um dos restaurantes universitários mais caros do país. Os estudantes defendem que o preço fique em R$1,93. 

Emprego
Em fevereiro, assim como já havia ocorrido no mês anterior, Santa Catarina foi o estado que mais gerou emprego. Os dados, no entanto são preocupantes pelo fato de que nesse mês já tenha havido queda de geração de emprego em relação a janeiro. Foram 2529 postos de trabalho a menos em fevereiro. No país continuou há haver queda no emprego, que nesse mês foi de  0,01%.

PÉROLA DA SEMANA
A “Pérola” dessa semana  não se tratará  de uma mera frase, mas sim de algo bem mais grave que remete ao crescimento que está havendo do fundamentalismo religioso. Em Florianópolis, a “Pérola” foi câmara municipal, em fragrante inconstitucionalidade, ter aprovado uma lei que obriga todas as escolas a colocarem em suas bibliotecas, com  destaque, a bíblia. Já em Blumenau a “Pérola” foi do Colégio Bom Jesus Santo Antônio, que não aceitou a realização da campanha e vacinação gratuita contra o Papiloma Vírus Humano (HPV) em suas dependências. 





Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Gostou dessa matéria? Deixe seu comentario.