quarta-feira, 15 de abril de 2015

Coluna nº22 - Greves, Privatizações da saúde, política e gastos públicos. Veja alguns temas da semana.



Desaprovação total
De acordo com a pesquisa feita pela pelo Instituto Mapa, os índices de desaprovação do governo Dilma em SC são impressionantes. Nada menos que 85,1% dos entrevistados desaprovam esse governo. No outro lado, os que avaliam o governo positivamente são apenas 7,9%, sendo que 6% consideram sua gestão boa e 1,9% ótima. Esse é o um resultado justo para um governo que se elegeu prometendo não atacar os direitos dos trabalhadores e já no dia seguinte a sua reeleição mostrou a que veio.  

O Apetite do PMDB
Não é só no governo federal que o PMDB esta exigindo, e conseguindo, cada vez mais cargos. Aqui em SC esse partido também vem se movimentando intensamente por mais cargos no governo estadual. Não se trata de uma disputa por projeto politico ou algo do tipo. É apenas a velha briga por mais postos para melhor saquear o dinheiro público.

Pensões dos Ex-governadores
Enquanto o governador anuncia que pretende atacar a previdência dos servidores com a desculpa de contenção dos gastos, não há nenhum empenho de sua parte para acabar com a vergonhosa aposentadoria dos ex-governadores e ex-primeiras-damas. Alguns deles foram apenas vice-governadores  e só ficaram pouquíssimo tempo no cargo, provavelmente só para terem “direito” a essa aposentadoria de nada menos que 23,8 mil. Isso sem falar dos que acumulam salários como Casildo Maldaner e Luiz Henrique da Silveira, que recebem como senadores. Somente com essas pensões, nosso estado gasta R$3,1 milhões por ano. 

Queda de Ideli
Ainda seguindo no tema do saque do dinheiro público em proveito próprio, há outro caso na semana que chama a atenção. Ideli Salvatti perdeu pela terceira vez o cargo que ocupava na cúpula do governo Dilma. Agora foi exonerada do ministério dos Direitos Humanos. Mas, apesar desse cai-não-cai, ela não deve se preocupar, já que boatos levantam que será indicada para a presidência dos Correios. Isso, claro, sem falar nas suas pomposas aposentadorias.

Greve dos professores
Segue a greve do magistério estadual, pois o governo continua tentando acabar com a regência de classe via sua diluição nos salários. Nova assembleia estadual ocorrerá nessa quarta feira (15). Mas a luta está fortalecida pela retirada da MP 198. Essa foi uma importante vitória, que impediu um ataque aos já tão sofridos professores ACTs. Toda a truculência de Colombo, através de seu secretário de educação (Eduardo Deschamps), não teve eco entre a população. O apoio efetivo dos alunos e pais de alunos têm sido um fator importante para ajudar a provocar rachas na base aliada do governo. 

Mais servidores estaduais em luta
Servidores do Judiciário e do sistema prisional também entram em greve. É hora de os sindicatos que representam os trabalhadores estaduais construírem um plano de mobilizações conjuntas para derrotar os ataques de Colombo e avançar na luta por melhores condições de trabalho e de salário

Greve de São José
Os servidores municipais de São José já estão a mais de um mês paralisados. A greve ocorre porque a prefeita Adeliana Dal Pont(PSD) não cumpre acordo firmado anteriormente com o sindicato. Além disso, durante todo esse período, ela se manteve numa postura de total intransigência contra os trabalhadores. Mesmo com tudo isso, a justiça, a pedido da prefeitura, decretou a greve ilegal e ameaça  o sindicato com multa diária de 50 mil se a greve continuar. Apesar de todos esses ataques o(a)s companheiro(a)s mantém a luta, o que obrigou a prefeita a abrir negociações. 

Quer o sangue do trabalhador
O ministro do trabalho, o catarinense Manoel Dias, parece que quer entrar para a história como um dos que mais desferiram ataques contra os trabalhadores. Ainda não satisfeito com tudo que as MPs 664 e 665 retiraram dos trabalhadores, quer mais. Defende entre outras medidas, a redução do tempo que o trabalhador poderá receber o seguro-desemprego para quase metade do período atual. 

Dengue 
O descaso dos governantes com a saúde publica continua fazendo vítimas. A dengue, além te ter atingido a níveis epidêmicos em Itajaí, agora chegou a Joinville. Essa semana foi confirmada o primeiro caso da doença contraída no próprio município. Esse retrocesso na saúde pública é fruto da falta de investimento do estado. Os recentes cortes no orçamento da saúde feitos pelo governo Dilma, para garantir que sobre dinheiro para pagar banqueiros e especuladores, devem agravar ainda mais esse quadro. 

Terceirizações na saúde- I
Além do descaço e da falta de verbas, nossa saúde publica sofre ainda de outra calamidade. São as privatizações através de terceirizações feitas pelos governos. Nessa semana, dois casos demonstram a gravidade desse verdadeiro crime cometido contra a saúde da população. O primeiro foi a paralisação dos trabalhos do SAMU da grande Florianópolis. Pela quarta vez os funcionários desse fundamental serviço tiveram de parar suas atividades por falta inclusive de combustível para as ambulâncias. O governo do estado privatizou o serviço e agora atrasa o repasse de dinheiro para a empresa privada, que para de fornecer equipamentos de trabalho indispensáveis aos socorristas.

Terceirizações na saúde- II 
O segundo triste caso veio a tona graças a uma manifestação promovida por centenas de pacientes, representantes de associações e funcionários do Centro de Pesquisas Oncológicas (Cepon). A manifestação pedia a conclusão das obras do centro cirúrgico do Cepon, que estão paralisadas. Ocorre que quando o governo estadual terceirizou o Cepon, passando seu controle para uma fundação privada, ele doou para esta o terreno onde está sendo construído atualmente o prédio. Agora o BNDES não pode liberar a verba por se tratar de uma obra pública em um terreno particular. Enquanto isso, todos os meses 160 pacientes, portadores de câncer, deixam de ter suas cirurgias realizadas.

Pizza?
Com razão, muitos já se perguntam se a “operação Ave de Rapina” vai ser mais um escândalo de corrupção que acaba em pizza. Afinal, já foram vários no estado que acabaram dessa forma. Temos que exigir a punição com cadeia e confisco dos bens de todos os corruptos e corruptores sejam eles de que partido forem. Não temos nenhuma confiança nesse tipo de apurações se elas não forem acompanhadas por mobilizações dos trabalhadores e da Juventude. 

PÉROLA DA SEMANA

"Não fiz concurso para Batman". Esse foi o título do artigo do delegado  David Queiroz de Souza, da delegacia de mulheres de Brusque, que teve repercussão nacional. Com esse texto, ele se justificava pelo fato de apenas ter  cumprido a lei, impedindo  que um gerente de supermercado fizesse uma fraude processual contra um “ladrão de galinha” que havia roubado quatro picanhas no seu supermercado. Incrivelmente, esse seu procedimento foi muito criticado, especialmente por seus colegas de profissão. 

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Gostou dessa matéria? Deixe seu comentario.