sexta-feira, 8 de maio de 2015

O Lugar dos Lutadores da UFSC é no 3º Congresso da ANEL



Por Juventude do PSTU Florianópolis

Está chegando o 3º congresso da Assembleia Nacional dos Estudantes – Livre (ANEL). Dessa vez, o fórum vai acontecer em Campinas, na UNICAMP, entre os dias 04 a 07 de junho. 

O congresso será realizado num período de polarização social em nosso país. Há um processo de ruptura com a presidenta Dilma e com o PT. A juventude precisa se aliar aos trabalhadores nos enfrentamentos com o governo Dilma, o PMDB e a oposição de direita. O próximo congresso da ANEL estará a serviço dessa tarefa. 

Queremos mudanças e nenhum direito a menos!

O ajuste fiscal dos governos, incluindo os cortes no orçamento das áreas sociais, o PL 4330 e as medidas provisórias 664 e 665, ameaça o futuro dos jovens brasileiros. A juventude é um dos setores mais atingidos pelos ataques aos direitos sociais e trabalhistas. 

A escassez de verbas na educação vem diminuindo a assistência aos estudantes pobres e cotistas das universidades públicas, na UFSC o movimento negro teve que travar uma batalha para arrancar da reitoria bolsas para estudantes que não tinham nenhuma condição de se manter na universidade. 

As restrições ao seguro-desemprego e o avanço das terceirizações vão afetar diretamente a nova classe trabalhadora. Além disso, o Congresso Nacional quer aprovar a redução da maioridade penal, medida que vai colocar na prisão a juventude negra da periferia, vítima da violência policial e do racismo institucional do Estado brasileiro.

Juventude em luta por outro futuro!

A partir das jornadas de junho de 2013, a juventude vem ocupando o centro da cena política nacional. Em Florianópolis no inicio deste ano nos unificamos para lutar contra o aumento da passagem de ônibus, estivemos do lado dos trabalhadores e das trabalhadoras na heroica greve dos professores do estado e no ato unificado contra a PL das terceirizações, na UFSC, graças a unidade de todos os lutadores, conquistamos uma vitória que deve servir de exemplo nacional, barramos a EBSERH com 70% dos votos. 

Todas essas manifestações vão se encontrar no 3º congresso da ANEL, onde vão se reunir estudantes, jovens da periferia, dos movimentos de luta contra as opressões, com o objetivo de debater propostas, trocar experiências e organizar a nossa resistência.

A UNE não fala em nosso nome!

Nos últimos treze anos, a União Nacional dos Estudantes (UNE) atrelou-se ao Estado e aos governos petistas, além de viver uma burocratização interna. A UNE foi cúmplice da limitação de nosso direito à meia-entrada cultural, da privatização do petróleo nacional e da precarização e privatização da educação brasileira. 

Na UFSC a UNE passa sua política pela atual gestão do DCE, gestão esta que não estava presente na luta dos estudantes cotistas e muito menos na luta contra a privatização do Hospital Universitário.

Dirigida há décadas pela União da Juventude Socialista, ligada ao PCdoB, a UNE perdeu sua capacidade de mobilização. Os protestos de juventude e as greves estudantis não são mais organizados pela velha entidade.

Um novo movimento estudantil é possível!

A completa adaptação da UNE aos desmandos do governo federal fez a juventude buscar novos espaços de discussão e organização. No movimento estudantil, a reorganização da juventude encontrou na ANEL sua expressão mais avançada. 

A nova entidade é um polo alternativo, baseado nos princípios da democracia de base, da independência financeira e política dos governos, da autonomia dos partidos, do classismo e do internacionalismo.

O PSTU se orgulha de ter participado da construção da ANEL. Agora, convidamos o ativismo e os movimentos de juventude a marcarem presença no 3º congresso da nova entidade e fazerem parte dessa história.

O lugar da Juventude que constrói a Plenária de Unificação das Lutas é no Congresso da ANEL

Desde o inicio deste ano, com o objetivo de unificar as lutas para além das pautas imediatas o movimento estudantil da UFSC vem construindo a Plenária de Unificação das Lutas que é composto pela Juventude do PSTU, Brigadas Populares, Alicerce, Juventude Comunista Avançando, União da Juventude Comunista e Juventude Socialismo e Liberdade assim como diversos Centros Acadêmicos e militantes independentes. Estamos juntos a frente de várias mobilizações estudantis e na cidade.

A nossa unidade está fortalecendo os atuais combates contra o governo Dilma e a oposição de direita. Por outro lado, nós ainda estamos divididos nacionalmente, porque grande parte da esquerda permanece na UNE, legitimando a velha entidade burocrática e governista.

Dessa forma, insistem num erro. Quando se aprofunda a ruptura dos jovens com o PT e com as suas antigas direções, é hora de apontar com firmeza o caminho da organização independente dos estudantes. 

O 3º congresso da ANEL vai elaborar iniciativas que façam avançar concretamente a unidade orgânica entre a nova entidade e os setores que integram a oposição de esquerda da UNE. Com certeza, a ANEL vai dedicar todas as suas forças a esse projeto.
  
A presença dos companheiros e companheiras de todas as organizações e coletivos que lutam de forma independente contra os ataques da reitora Roselaene e o governo Dilma no 3º congresso da ANEL, mesmo que apenas enquanto observadores, já será um primeiro passo fundamental.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Gostou dessa matéria? Deixe seu comentario.