sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Nota de APOIO à Greve dos trabalhadores e trabalhadoras dos Correios.

Desde o dia 15 de setembro os trabalhadores dos Correios encontram-se em greve. Reivindicam valorização salarial, a manutenção da cobrança do plano de saúde sem cobrança de mensalidades e o fim das políticas de arrocho de salários e de precarização e privatização contra o plano de saúde da categoria e contra a própria empresa.

A categoria também denuncia o rombo de R$ 6 bilhões no fundo de pensão causada pela irresponsabilidade e corrupção com o dinheiro da aposentadoria da categoria. Não devemos e não vamos pagar pelo prejuízo que não criamos!

Nós, militantes do PSTU, junto da CSP-Conlutas, estamos na linha de frente dessa greve a construindo junto dos trabalhadores e trabalhadoras. Chamamos pela unificação da greve com outras mobilizações, como a dos servidores públicos federais, bancários, metalúrgicos e petroleiros, que tem lutas salariais e em defesa do setor público.

Chamamos ao conjunto dos sindicatos e movimentos sociais a apoiarem a greve nos Correios. Temos que derrotar com a nossa luta a direção da empresa, o governo Dilma/PT e agora o TST para garantir nossas reivindicações. Dinheiro tem para atender as reivindicações da categoria. Basta parar de dar bilhões e mais bilhões aos bancos com os pagamentos das dívidas externa e interna. Defendemos:

  • Chega de Dilma (PT), Temer, Cunha, Renan (PMDB) e Aécio (PSDB)!;
  • Contra a privatização da ECT. Por uma empresa de caráter público e de qualidade nos serviços prestados à população e não para atender ao mercado financeiro;
  • Fim da GIP como instrumento de reajuste salarial!;
  • Aumento real nos salários, com incorporação já de R$ 200, de forma linear;
  • Retorno do Plano Correios-Saúde, com o fim da operadora Postal Saúde;
  • Saneamento da Postalis pela ECT. Os trabalhadores não podem pagar pelo rombo causado por seus diretores;
  • Contratação já por concurso público com o fim da terceirização dos serviços;
  • Chega de ajuste fiscal contra os trabalhadores/as! Que os ricos paguem pela crise!


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Gostou dessa matéria? Deixe seu comentario.